NOTICIAS DE HOJE

Dilma P., de 37 anos, pede mudança de seu nome de batismo pelas chacotas

Dilma P., de 37 anos, pede mudança de seu nome de batismo pelas chacotas
Kako Abraham/BBC

“Durante muitos anos, a sra. Dilma viveu tranquilamente com seu nome. (…) Em 2015, com o processo de impeachment, cresceram a rejeição e o ódio em relação à presidenta e ao Partido dos Trabalhadores. A partir de então, as brincadeiras passaram a ser mais frequentes e menos lúdicas. A sra. Dilma, que à época trabalhava em uma instituição bancária, enfrentava deboches constantes dos colegas de trabalho e, em diversas situações, clientes se recusaram a ser atendidos por ela. Tudo porque se chama Dilma.”

Esse é um dos trechos de uma ação que corre em segredo de Justiça na 3ª Vara Cível, em São Miguel Paulista (zona leste de São Paulo). Nela, Dilma P., de 37 anos, homônima da ex-presidente, pede a mudança de seu nome por ser vítima de “bullying”.

“Cada vez que chego a um lugar e falo meu nome em voz alta, sou motivo de risada e depreciação. Chega uma hora que o ser humano não aguenta mais. Imagine estar num ambiente público e todo mundo zombar de você?”, lamenta.

Dilma P. diz que “nunca gostou” do nome de batismo, mas que nunca havia pensado em mudá-lo até o impeachment da petista.

“Nunca gostei do meu nome. Queria ter um nome mais popular, mas nunca pensei na vida em trocá-lo. Quando Dilma se tornou presidente, meu nome passou a ser mais conhecido e as pessoas diziam se tratar de um nome diferente. Ficavam surpresas que eu tinha o mesmo nome da presidente”, conta.

“Mas o impeachment chocou o país. Quando falo meu nome, todo mundo se lembra de Dilma e as piadas começam. Ninguém quer ser comparado a alguém que ficou marcado pela corrupção”, completa.

Atualmente desempregada, ela conta que, em seu antigo trabalho, como analista de relacionamento de um banco durante dois anos, tinha de conversar com clientes via telefone e bate-papo online. Chegou, inclusive, a pedir ao supervisor para mudar o nome. Diante da negativa, precisou criar um “roteiro” para evitar ser alvo de zombaria.

“Um cliente chegou a me dizer que, se eu estivesse diante dele, me mataria. Outro falou que não queria ser atendido por mim. Pedi ao meu superior que mudasse meu nome. Mas ele sugeriu que eu criasse um roteiro, de forma a explicar que eu apenas compartilhava o mesmo nome do da presidente. Não deveria, portanto, ser vítima da fúria das pessoas”, diz.

“Fiquei com medo. As pessoas estão com muita raiva do PT. Foi um partido que tem lá seus defeitos, mas pelo menos foi o único que fez pelo povo”, acrescenta.

Dilma P., que já votou em Lula, mas não se lembra se votou ou não em Dilma, também diz que a comparação com a ex-presidente vem tornando difícil a busca por um emprego.

“Certa vez estava participando de uma dinâmica de grupo. O recrutador pediu para que cada um dissesse seu nome. Quando chegou à minha vez, a sala inteira deu risada. Me senti péssima. Para piorar, o próprio recrutador brincou: ‘Nossa, até você procurando emprego, presidente? O negócio está feio, mesmo!'”, diz.

‘Manuela’

Cursando pedagogia, Dilma P. quer agora se chamar Manuela, uma homenagem ao pai, Manuel, já falecido.

“Foi um homem muito bom que, apesar de não ter estudos, me possibilitou chegar aonde estou agora. Ele ficaria orgulhoso de mim”, diz, com a voz embargada.

Lembrada para a BBC Brasil que uma das candidatas à Presidência nas eleições deste ano também se chama Manuela (Manuela D’Ávila – PcdoB), Dilma P. diz não “temer” passar pelo “pesadelo” novamente, caso a gaúcha vença o pleito.

“Se ela ganhar e vier a ser alvo de impeachment, pelo menos é um nome mais comum”, ressalva.

Atualmente, segundo dados do Censo, há cerca de 40 mil Dilmas no Brasil, a maioria no Estado da Bahia. Trata-se do 354º nome feminino mais popular do país. Maria, Ana, Francisca, Antonia e Adriana são, nessa ordem, os mais comuns.

“A Lei de Registros Públicos permite a troca de nomes não como regra, mas como exceção”, explica a advogada de Dilma P., Isabelle Strobel.

É o caso de casamentos, divórcios, adoções e erros ortográficos na hora de registrá-lo no cartório.

Porém, para aqueles que desejam mudar o nome por outros motivos, é preciso pedir a substituição pela via judicial.

“A lei costuma restringir bastante a troca de nomes. O requerente deve expor o motivo da mudança e alegar a razão pela qual aquele nome causa constrangimento”, assinala Strobel.

Em seguida, um juiz analisa se o motivo “é relevante ou não”, completa a advogada.

Um dos objetivos é evitar, por exemplo, que um foragido possa querer mudar de nome e despistar as autoridades.

Dilma diz, no entanto, estar esperançosa de que possa haver uma decisão positiva da Justiça.

“Independentemente de qual for a decisão, aonde vou, já peço para ser chamada de Manuela”, diz.

Leia mais

Prêmio será sorteado nesta quarta-feira

Prêmio será sorteado nesta quarta-feira
Divulgação/ Caixa Econômica

A Mega-Sena promete sortear o prêmio de R$ 6,5 milhões nesta quarta-feira (23). O valor é uma estimativa da Caixa Econômica Federal. 

Não houve nenhum apostador que cravou os seis números no último sorteio, realizado no sábado (19). 

Houve 47 apostas que acertaram cinco números do bilhete, levando R$ 34.505,69 cada uma. 

Outras 3.018 ganharam R$ 767,66 cada ao acertar quarto números do bilhete. 

Veja as dezenas sorteadas no concurso número 2.042:

14 — 22 — 29 — 32 — 33 — 35

Como apostar?

Para concorrer ao prêmio de R$ 6,5 milhões desta quarta, basta ir a uma casa lotérica e marcar de 6 a 15 números do volante, podendo deixar que o sistema escolha os números para você (Surpresinha) e/ou concorrer com a mesma aposta por 2, 4 ou 8 concursos consecutivos (Teimosinha).

Cada jogo de seis números custa R$ 3,50. Quanto mais números marcar, maior o preço da aposta e maiores as chances de faturar o prêmio mais cobiçado do País.

Outra opção é o Bolão Caixa, que permite ao apostador fazer apostas em grupo. Basta preencher o campo próprio no volante ou solicitar ao atendente da lotérica. Você também pode comprar cotas de bolões organizados pelas lotéricas.

Neste caso, poderá ser cobrada uma Tarifa de Serviço adicional de até 35% do valor da cota. Na Mega-Sena, os bolões têm preço mínimo de R$ 10. Porém, cada cota não pode ser inferior a R$ 4. É possível realizar um bolão de no mínimo 2 e no máximo 100 cotas.

Leia mais

Ministra Rosa Weber foi a relatora do caso

Ministra Rosa Weber foi a relatora do caso
Nelson Jr./Divulgação/STF – 22.3.2018

Por unanimidade, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta terça-feira (22) que os recursos do Fundo Partidário destinado aos partidos políticos devem ser distribuídos igualitariamente entre candidaturas de homens e mulheres, ficando pelo menos 30% para o financiamento de campanhas de mulheres. Pela decisão, o tempo de propaganda eleitoral no rádio e TV também deverá ter a mesma divisão.

A questão foi decidida por meio de uma consulta levada ao TSE pelas senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR), Vanessa Graziotin (PCdoB-AM) e outras parlamentares. Após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, em março, julgou inconstitucional a limitação ao financiamento de candidaturas femininas na política, as parlamentares pediram ao TSE que o entendimento fosse aplicado na Justiça Eleitoral.

Ao votar sobre a questão, a relatora do caso, ministra Rosa Weber, disse que a Justiça Eleitoral sempre estimulou ações afirmativas para aumentar a participação das mulheres na política. Além de defender a igualdade na distribuição de recursos, Rosa citou dados que mostram que o Brasil tem cerca de 10% de representação feminina na Câmara dos Deputados e 14% no Senado, números inferiores em relação a parlamentos de países que restringem a participação da mulher na sociedade, como Afeganistão, Iraque, Paquistão, Arábia Saudita e Nigéria.

“Em virtude do princípio [constitucional] da igualdade, não pode o partido político criar distinções na distribuição desses recursos, exclusivamente baseado no gênero. Assim, não há como deixar de reconhecer, como sendo a única intepretação constitucional admissível aquela que determina aos partidos políticos a distribuição dos recursos públicos destinados à campanha eleitoral na exata proporção das candidaturas de ambos os sexos”, afirmou a ministra.

Em março, o STF considerou inconstitucional a regra da Lei 13.165/2015, conhecida como minirreforma eleitoral, que limitou a transferência de recursos do Fundo Partidário para financiar as campanhas de mulheres filiadas.

Leia mais

Votação foi adiada para semana que vem

Votação foi adiada para semana que vem
Divulgação

Ficou para a semana que vem a votação do parecer que pede o arquivamento da representação contra o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, acusado de caluniar a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no último dia 14 de março.

A representação foi apresentada pelo PSOL, que pede a cassação do mandato de Fraga. O partido argumenta que o deputado “abusou de suas prerrogativas constitucionais” ao divulgar no twitter informações falsas sobre a vereadora. O deputado escreveu na rede social que Marielle “engravidou aos 16 anos”, era ex-esposa do traficante Marcinho VP, usuária de drogas e defensora do Comando Vermelho

Alegando que Fraga já pediu desculpas pelo ocorrido, o deputado Adilton Sachetti (PRB-MT) relator da representação, apresentou parecer sugerindo que o caso seja arquivado. Após debate entre os parlamentares, porém, a votação não ocorreu porque o deputado Pompeo de Matos (PDT-RS) pediu vistas da matéria.

Leia mais