‘Sharp Objects’ merece ser vista – e não só por causa de Amy Adams

 

 

Não e apenas a história de suspense  – escrita pela americana Gillian Flynn, autora também de Garota Exemplar – que faz de Sharp Objects, nova minissérie do canal HBO, algo que merece ser assistido. A direção de Jean-Marc Vallée (Clube de Compras Dallas) e, principalmente, a atuação de Amy Adams (estrela de A Chegada e escolhida para A Mulher na Janela) já valem a tentativa. É isso que o diretor e cineasta João Daniel Tikhomiroff explica no vídeo acima.

+ ‘Wild Wild Country’ é a série da vez (que você ainda não ouviu falar)
+ ‘The Looming Tower’ escancara os bastidores do 11 de setembro

Amy Adams em cena de Sharp Objects (Foto: Divulgação)

 

Jay-Z consolida posição como rapper mais rico do mundo

Jay-Z (Foto: Getty Images)

 

 

Hip-hop é o maior item de consumo da música americana, e como tal, move um bocado de grana. E o rapper e empresário Jay-Z segue na crista dessa onda. Segundo levantamento da F…

Hermès deve ter plataforma online no Brasil em 2 ou 3 anos

(Foto: Getty Images for Hermes)

 

A Hermès no Brasil tem planos a curto prazo para trazer sua loja online para o público brasileiro. A operação digital deve pousar no páis daqui a dois ou três an…

PSG e Jordan Brand apresentam coleção de uniformes, tênis e roupas

Coleção PSG x Jordan Brand (Foto: Divulgação)

 

A Jordan Brand (a marca do Air Jordan) e o Paris Saint-Germain finalmente apresentaram oficialmente a nova coleção de roupas e uniformes feitos por ambos na mais recente parceria do mundo do futebol. Nas redes sociais do clube e da marca, Neymar, Mbappé e os grandes nomes do PSG apareceram vestidos com os kits de jogo.

Coleção PSG x Jordan Brand (Foto: Divulgação)

 

Os uniformes serão usados ​​apenas durante a Liga dos Campeões, mas a coleção também conta com camisas de treino, chuteiras, sneakers, jaquetas, bonés, calças e camisetas. Todos em preto e branco – a nova identidade alternativa do clube.

+ Virgil Abloh anuncia colaboração com Serena Williams e a Nike
+ Sob vaias e aplausos, Colin Kaepernick ressurge em nova campanha da Nike

Mais especificamente, os tênis da coleção são um Air Jordan 1 e um Air Jordan 5. O PSG x Air Jordan 1 é feito em neoprene e tem detalhes laranjas na língua e no calcanhar. Já o Air Jordan 5 traz, no lugar do 23  de Jordan, o número 75 – referência ao código postal de Paris.

Coleção PSG x Jordan Brand (Foto: Divulgação)

 

Sem preços confirmados no Brasil, os divulgados pela Nike são US$ 160 (AJ1) e US$ 190 (AJ5) e US$ 165 as camisas.

Coleção PSG x Jordan Brand (Foto: Divulgação)

 

Fique ligado nos sites e lojas especializados se quiser descolar alguma dessas peças. 

O PSG Air Jordan 1 (Foto: Divulgação)

 

 
 
 

 
 
 
 
 

 
 

 
 
 

 
 

Uma publicação compartilhada por Paris Saint-Germain (@psg) em

13 de Set, 2018 às 6:24 PDT

 

Paul McCartney abre o jogo sobre orgias, masturbação e Kanye West

Paul McCartney (Foto: COLLIER SCHORR)

 

Com quase 60 anos de carreira, Paul McCartney ainda não contou tudo que viveu à imprensa. Em entrevista à GQ americana, o eterno beatle se permitiu revelar algumas das histórias jamais reveladas, envolvendo deste tabus sexuais às polêmicas mais recentes, como a sua parceria com Kanye West.

Relembrando os Beatles, o velho Macca surpreendeu ao revelar um momento de mastubação coletiva na banda. “Foi assim, eu estava na casa do John e era um grupo pequeno. E em vez de bebermos ou dar uma festa, eu nem sei se íamos passar a noite lá ou algo assim, nós ficamos sentados em cadeiras com as luzes  apagadas. Alguém começou a se masturbar, então todos fizemos o mesmo”, revelou Macca.

De acordo com o músico, os participantes da brincadeira começaram a se empolgar e gritar nomes de musas da época. “Nós ficávamos, tipo, ‘Brigitte Bardot! Whoo!’ E aí todo mundo mandava ver um pouco mais”, contou McCartney. “Até que, acho que foi John quem disse, ‘Winston Churchill!’,”, completou, explicando como a atividade, com gritos horrorizados, teve fim.

Sobre uma lenda do rock que diz que os integrantes dos Beatles viram George Harrison perder a virgindade e ainda o aplaudiram no final do ato, Paul é impreciso. “Eu sei que nós tínhamos uma cama e dois conjuntos de beliches. Se um dos caras trouxesse uma garota, poderia ficar na cama com um cobertor em cima, e você não perceberia nada além do movimento. Eu não sei se vimos George perdendo a virgindade. Pode ser”, contou.

Ainda no campo sexual, McCartney revelou que nunca foi um grande fãs de orgias. “Eu acho que eu nunca fiz. A ideia não me chamava a atenção. Houve uma ocasião em que nós estávamos em Las Vegas e o cara da turnê disse, ‘caras, vocês estão indo para Vegas – querem uma prostituta?’ Respondemos: ‘Sim!’ E eu pedi duas. Eu as recebi e foi uma experiência maravilhosa. Mas isso foi o mais perto que eu já cheguei de uma orgia”, contou.

Mostrando que segue empenhado em sua carreira aos 76 anos, Paul também falou sobre o seu novo álbum, Egypt Station, lançado no último feriado de 7 de setembro. Confirmando os boatos, ele admitiu que Kanye West se ofereceu para produzir o álbum. O ex-beatle recusou a proposta, educadamente. “Eu meio que sabia em que direção eu queria ir. E sabia que seria muito diferente de onde Kanye iria com o álbum”, revelou.

+ Na TV, Kanye West fala sobre bipolaridade, Trump e pornô
+ Fãs de Kanye West desconhecem Paul McCartney