Rodrigo Koxa: “O surfe tem mostrado muita potência e roubou o espaço do futebol” | Noticias

Noticias Última Hora | O Portal de Notícias do Brasil com as últimas notícias de hoje.
Rodrigo Koxa: “O surfe tem mostrado muita potência e roubou o espaço do futebol”
Rodrigo Koxa com sua prancha na avenida Paulista, em São Paulo (Foto: Divulgação)

 

Rodrigo Koxa é o atual campeão do XXL Biggest Wave Awards 2018. Ele bateu Garrett McNamara – “meu ídolo”, acrescenta - pegando uma onda de 80 metros na praia do norte, em Nazaré (Portugal) no final do ano passado, feito que lhe rende também uma menção no Guinness Book. “Investi a minha vida inteira treinando”, comenta ele. Koxa prepara-se para uma nova temporada de dois meses em Portugal em busca de mais uma onda (gigante) perfeita. "Quem sabe bato meu próprio recorde", desafia.

Antes disso, ele passa por São Paulo nesta quarta-feira, 03/10, no Encontros no Quintal do Beco para falar sobre sua carreira e sobre a fase atual do surfe brasileiro - com grandes nomes nacionais, como Gabriel Medina e Filipe Toledo, na elite mundial do esporte.

Leia o bate-papo do ídolo dos mares com a GQ Brasil:

Como foi a sensação de estar no Guinness após ter pego uma onda gigante em Nazaré?
Foi um sonho realizado. Investi a minha vida inteira treinando para isso. Queria vencer este Oscar da WSL [a liga mundial do surfe anunciou que, a partir de 2019, todos os prêmios terão categorias feminina e masculina] que é o XXL Biggest Wave Award. Venho concorrendo há 8 anos consecutivos e já estive em duas finais. Agora sou o atual campeão. E ainda por cima veio o Guinness com a medição da onda - 80 pés (cerca de 24 metros). Ultrapassei meu ídolo, o Garrett McNamara (que pegou uma onda de 78 pés, 23 metros, em 2011). Estou muito feliz, alucinadaço. Volto para Portugal dia 7 de outubro. Espero pegar altas ondas. erstarei lá paraq defender meu título. Mas quem sabe bato meu próprio recorde? 

Reveja a onda que garantiu o recorde a Rodrigo Koxa:

Depois deste feito, qual seu próximo desafio nas águas?
Meu desafio é voltar para Nazaré onde vou ficar dois meses e meio. É a bola da vez, é a onda gigante. A única que eu entendo que possa trazer novos recordes. Estou muito focado. E se der outro swell gigante, volto para lá.

+ Maya Gabeira quebra barreiras no surfe

+ Tesla lança prancha de surfe de quase 6 mil reais

O que achou da notícia de que a piscina de ondas artificiais do Kelly Slater será construída no Brasil como um centro de treinamento?
Incrível. O Brasil é o lugar perfeito para construir esta piscina. Tem muitos surfistas fora da costa, em São Paulo, Brasília, Curitiba. Tem muita capital longe da praia. Acho perfeita esta piscina de ondas para agregar ao treino dos apaixonados pelo surfe. Nunca surfei em uma piscina de ondas, mas gostaria de conhecer. 

+ Livro reúne fotos dos maiores surfistas brasileiros

+ Quer comprar uma prancha de surf feita pelos shapers de Medina e Andy Irons?

Muitos estão afirmando, pelo sucesso de nossos atletas, que o surfe é o novo futebol do Brasil. Concorda?
Com certeza. Quem está acompanhando o esporte em geral, sabe disso. O surfe está roubando o espaço em questão de vitórias, títulos, reconhecimento internacional. O futebol hoje.. a gente não é mais tão soberano como antes. Já no surfe, sim. Se não me engano são 11 atletas na elite da WSL. Tem título de tudo o que é lado: no stand up, nas ondas gigantes comigo. O brasileiro vem provando que é apaixonado pelo oceano. O surfe é o esporte que tem mostrado muita potência e roubou o espaço do futebol. Não nas grandes mídias, mas em feitos. Não imaginava que o Brasil chegaria com tanta força. Hoje, para mim, os melhores surfistas do mundo são brasileiros: Gabriel Medina, Ítalo ferreira, Filipinho, Lucas Chumbo, Carlos Burle.  É Brazilian Storm mesmo. O nome não podia ser melhor.

Rodrigo Koxa (Foto: Hélio Antônio / Divulgação)

 

Que conselhos você daria para quem quer se tornar um surfista de ondas gigantes?
Surfar desde novo e respeitar o oceano. O maior ensina muito, ensina a gente a ter humildade. O mar é meu segundo pai. E precisa treinar bastante, estudar o esporte para melhorar sua performance e viajar para os lugares - estes cenários que têm ondas grandes como Estados Unidos, México, Indonésia, Portugal.

Encontros no Quintal do Beco
Dia 03/10, quarta-feira, das 19h30 às 21h30
Bar do Beco – Rua Aspicuelta, 17 – Vila Madalena
Infos: (11) 3031-0465
Entrada gratuita


[related_post themes="flat" id="499"]