Biden ganha no Michigan e se aproxima da Casa Branca

O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, venceu no estado do Michigan nesta quarta-feira, 4.

A região é um dos pontos-chave para o pleito de 2020 e amplia a vantagem do ex-vice-presidente contra Donald Trump.

No estado, Biden teve 2.684.000 votos, 49.9% do total, e Donald Trump recebeu 2.617.000, 48.6%.

Com isso, Biden leva mais 16 cadeiras e agora soma 264 delegados no Colégio Eleitoral. Para vencer, são necessários 270 votos.

Biden só precisa agora vencer em Nevada, com seis delegados, para conquistar a presidência. Até o momento ele está na liderança no estado.

Michigan fica no chamado Cinturão da Ferrugem, região industrial onde a votação deve ser decidida nos próximos dias. Assim como em 2016, os três estados do Meio-Oeste dos Estados Unidos, Michigan, Wisconsin e Pensilvânia, devem decidir a eleição à Casa Branca.

O democrata já ganhou em Wisconsin – a contagem na Pensilvânia pode demorar, já que os votos por correspondência só começaram a ser contados na manhã da terça-feira 3.

Continua após a publicidade

Durante 25 anos, Michigan sempre escolheu candidatos democratas, mas em 2016, Donald Trump ganhou o estado pela menor margem do país – apenas 10.704 votos. O estado, contudo, não deixou de ser um campo de batalha, e Biden obteve resultados consistentes em praticamente todas as pesquisas que antecederam o dia da eleição.

A conquista do Michigan significa que Biden só precisará de Nevada para atingir os 270 votos necessários. Nenhum candidato republicano vence em Nevada desde 2004, mas o estado continua sendo um campo de batalha. Em 2016, Trump quase venceu no estado tradicionalmente democrata, mas a campanha de Biden disse estar confiante sobre o resultado lá.

A campanha do presidente Trump anunciou que entrou com um processo para paralisar a contagem de votos no Michigan, logo após fazer o mesmo com Wisconsin – onde o democrata ganhou por uma diferença de apenas 20.697 votos.

A equipe do republicano alegou, sem evidências, que houve irregularidades em “vários” condados de Wisconsin e que Michigan não permitiu que a equipe do presidente observasse a contagem em “vários” locais.

“Nós entramos com uma ação hoje no Tribunal de Reclamações de Michigan para interromper a contagem até que um acesso significativo seja concedido”, disse a campanha, em comunicado. “Também exigimos a revisão das cédulas que foram abertas e contadas enquanto não tínhamos acesso significativo”.

As autoridades de Michigan disseram que estão comprometidas em contar cada cédula. Depois do anúncio do processo, a secretária de estado de Michigan, Jocelyn Benson, tuitou um mapa do estado com os dizeres: “Paciência é uma virtude”.

Os estados que ainda podem decidir a disputa são Nevada, Pensilvânia, Carolina do Norte e Geórgia.

Continua após a publicidade

Cresta Help Chat
Send via WhatsApp