Brasil tem mais de 3 mil espécies ameaçadas de extinção, afirma IBGE

Mata Atlântica é o bioma mais devastado

Mata Atlântica é o bioma mais devastado
Arquivo/Agência Brasil

O Brasil tem hoje pelo menos 3.299 espécies de animais e plantas ameaçadas de extinção. O número representa 19,8% do total de 16.645 espécies avaliadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na pesquisa Contas de Ecossistemas: Espécies ameaçadas de extinção, divulgada nesta quinta-feira (5). O ecossistema mais degradado do país é a Mata Atlântica, seguida de perto pelo Cerrado e a Caatinga.

Os números, no entanto, devem ser muito maiores. Atualmente são reconhecidas no Brasil 49.168 espécies de plantas e 117.096 espécies de animais. Desse total, a pesquisa do IBGE analisou apenas as 4.617 espécies da flora e as 12.262 espécies da fauna para as quais existem informações sobre seu estado de conservação. Elas representam, respectivamente, 11,26% e 10,13% do total de espécies reconhecidas.

“O estudo tem especial importância para o Brasil, que é o país com a maior biodiversidade do mundo”, afirmou o coordenador técnico da pesquisa, Leonardo Bergamini.

Das espécies ameaçadas estudadas, o levantamento mostra que 4,73% estão criticamente em perigo, 9,35% estão em perigo e 5,74% são consideradas vulneráveis. Outras 0,06% estão extintas e 0 01% são extintas na natureza (ou seja, só existem em cativeiro).

Amazônia perde 32 mi de campos de futebol de vegetação em 18 anos

Entre as espécies extintas estão as aves Maçarico-esquimó (Numenius borealis), Gritador-do-nordeste (Cichlocolaptes mazarbarnetti), Limpa-folha-do-nordeste (Philydor novaesi), Peito-vermelho-grande (Sturnella defilippii), Arara-azul-pequena (Anodorhynchus glaucus), e Caburé-de-pernambuco (Glaucidium mooreorum). Estão ainda o anfíbio Perereca-verde-de-fímbria (Phrynomedusa fimbriata); o mamífero Rato-de-Noronha (Noronhomys vespuccii); e os peixes marinhos Tubarão-dente-de-agulha (Carcharhinus isodon), e Tubarão-lagarto (Schroederichthys bivius). Além dessas, uma espécie está extinta na natureza: a ave Mutum-do-Nordeste (Pauxi mitu), originária da Mata Atlântica.

‘Mentira verde’: como a destruição da Amazônia vai além do desmatamento

A Mata Atlântica é o bioma que apresenta mais espécies ameaçadas tanto em números absolutos (1.989) como proporcionalmente (25 0%). Em seguida vem o Cerrado, com 1.061 espécies ameaçadas ou 19,7% do total, e a Caatinga, 366 espécies ou 18,2%. O Pampa tem 194 espécies ameaçadas, que representam 14,5% do total.

Já o Pantanal e a Amazônia estão mais bem preservados e apresentam as maiores proporções de espécies incluídas na categoria menos preocupante (88,7% e 84,3% respectivamente) e os menores porcentuais de espécies ameaçadas (3,8% e 4,7%).

Cresta Help Chat
Send via WhatsApp